LEIA O BLOG

LANÇAMENTO!

os invisíveis

Para olhar o mundo e a sociedade do invidualismo

Como situações cotidianas podem determinar o destino das pessoas em uma sociedade baseada no individualismo? Até onde somos mestres das nossas atitudes? Até onde o sistema em que vivemos impõe ou determina o caminho que iremos “escolher”?
O conto nos envolve na vida de um sujeito comum, trabalhador, persistente no dia a dia, assim como todos nós. As situações inusitadas que acontecem com ele, poderiam acontecer com qualquer um.

Com uma prosa fluida e instigante a autora nos leva a reflexões sobre temas que amedrontam todos nós e nos ajudam a voltar o olhar para o outro, aquele que insistimos ignorar.

Segue abaixo um trechinho do livro:

“Parecia o sonho do proletariado, a vida boa prometida a quem trabalha: uma atividade desinteressante e repetitiva, num ambiente climatizado, um salário fixo que poderia ser melhor, e pouco tempo livre para pensar sobre essas coisas. A serenidade da ocupação, sem conflitos ou perturbações, o deslizar moroso das nove horas diárias; a segurança de uma existência medíocre – tudo isso se ajustava perfeitamente à minha perspectiva de vida para os próximos anos, eu estava muito animado[…]”

CONTOS E CRÔNICAS

dentes enferrujados

A mulher que grita

Você é uma pessoa maravilhosa quando está de folga, lamentou me entregando a bolsa da marmita. Caminhei até o ponto

Leia mais

O sonho do sol

Deitou-se às vinte e uma horas, depois de comer as guarnições que ofertaram os vizinhos para o velório. Fora duras

Leia mais

Terreno Baldio

Quando falaram eu custei a crer. Fiquei surpresa e confusa. Tinha um vago sentimento que parecia remorso, mas não era.

Leia mais

Um gato nas barricadas

Este conto foi escrito e distribuído gratuitamente durante o evento “A extraordinária vida de Louise Michel” ministrado pela Professora de

Leia mais

Entulho de banheiro

Este poema foi selecionado para compor a 7ª Coletânea de Poemas-Sonetos-Cordéis da Editora Perse. Eu tenho um vizinho, que é

Leia mais

Trecho de “Os invisíveis”:

“De barriga cheia e um pouco mais calmo, no caminho de volta pude usufruir do sentimento de companheirismo ou empatia que acomete colegas de trabalho ou indivíduos que compartilham da mesma dificuldade. Atravessamos o estacionamento sob o sol quente da uma da tarde e no meu íntimo eu apenas repetia como um mantra, ‘apenas formalidades’.”

Um convite à reflexão sobre a vulnerabilidade e riscos que todos nós estamos sujeitos na sociedade atual.

Sobre a autora

Nasci no Rio de Janeiro, em  1983. Formada se em Sistemas de informação e Telecomunicações. Escrevo desde a infância, mas somente em 2023 submeti meus trabalhos para o público, revistas e editoras. Os temas abordam capitalismo, meio ambiente, sociedade, novas tecnologias e precarização do trabalho em uma literatura que se pretende fácil e fluída.

PUBLICAÇÕES DISPONÍVEIS

Os invisíveis

"De barriga cheia e um pouco mais calmo, no caminho de volta pude usufruir do sentimento de companheirismo ou empatia que acomete colegas de trabalho ou indivíduos que compartilham da mesma dificuldade. Atravessamos o estacionamento sob o sol quente da uma da tarde e no meu íntimo eu apenas repetia como um mantra, ‘apenas formalidades’. "

Conto finalista no Prêmio Amazon Meu Conto Inesquecível 2023 

Conto Selecionado para publicação pela Revista TAUP 2023

A Tulipa

"Olhei ao redor procurando cúmplices para compartilhar dessa alegria inesperada, mas era somente eu ali agachada e a moça do mercado absorta na rua. Escolhi uma tulipa para levar, apesar de todas estarem perfeitas. Senti que era uma pena deixá-las naquele canto. Mas, tinha esperança de que, ao vê-las, qualquer pessoa sentiria essa mesma alegria infantil e levaria uma flor para casa também. "

Crônica selcionada para publicação na 11º edição da revista Mar de Lá Edição – Setembro 2023

OS Fantasmas do Bronx

"A cada dois meses, mais ou menos, eles sentiam a necessidade de realizar essa defumação em família. Era como uma expurgação conjunta, uma purificação das energias não só da casa, mas deles mesmos, um lembrete peródico de quem eram e das suas origens. Cada um abria suas gavetas e tirava de dentro os itens mais estimados. Incensos eram acesos, bonecas e santos enfeitavam as janelas e bandeiras eram posicionadas em seus lugares sagrados, músicas argentinas ecoavam pelos cômodos..."

bolsinha de crochê

Que é isto amor, para que me tratar assim? Eu só te mostrei a foto dessa mulher por que achei ela parecida com você; linda e alegre nas ruas de Nova Iorque. Eu sei, eu sei que você não conhece Nova Iorque, mas não custa se imaginar, né? Olha, eu só quero seu bem e essa foto representa tanta coisa boa, que até a mulher se parece com você. E no mais ela está calçando esse tênis colorido que você queria. Eu vi que você estava pesquisando esses dias, lembrei e te enviei essa foto.

FEEDBACK DE LEITORES
5/5
Cintia Ferreira
Read More
Em tempos de precarização do trabalho, a busca por um emprego que remunere bem e não seja tóxico - na maioria das vezes infrutífera - leva a uma busca por qualquer emprego. O conto nos leva a pensar até que ponto estamos seguros e estáveis em nossos trabalhos e quão errado as coisas podem dar. É também uma oportunidade para refletirmos sobre a rede de apoio que todo ser humano deveria ter, e ao longo do tempo, sofrendo ataques sutis (às vezes nem tanto) do capitalismo, do neoliberalismo, acabamos por perder. Mergulhamos em um individualismo e somos levados a crer que isso é garra, força de vontade, quando na verdade é uma vulnerabilidade inquietante. Leiam Os invisíveis e identifiquem-se.
Danilo Rodrigues
Read More
Conto denso e a história vai puxando pra ler mais. Queria um segundo capítulo.
Fabricio Max
Read More
Uma reflexão sobre a segurança e a estabilidade que todos nós almejamos em nossos empregos e em nossas vidas. Através da narrativa, somos confrontados com a incerteza e a fragilidade de nossas existências nessa sociedade, nos fazendo questionar até que ponto iremos seguir frente, aguentar e persistir.
Marcelo Antunes
Read More
Realismo capitalista nesse conto que narra agruras do proletariado nesse capitalismo tardio.
Aline Macedo
Read More
Conto/novela denunciando a sujeira do mercado de trabalho capitalista. Procurem.
Previous
Next

PRÓXIMOS EVENTOS com a autora

meio ambiente, sociedade, novas tecnologias e precarização do trabalho

Inscreva-se agora e receba gratuitamente, no seu e-mail, textos, reflexões e lançamentos da autora.